Caindo sem Pará

Foto: atribunamt.com.br

Foto: atribunamt.com.br

CHAPECOENSE 2×1 BAHIA
9ª rodada Brasileirão 2014

Mais um “pior jogo do ano” do Bahia. E contra uma equipe que jogou tanto quanto os times do interior baiano na primeira fase do estadual. Além da queda, o coice: a baixa absurda de rendimento pela segunda apresentação seguida coloca um alerta de preocupação que há algumas semanas parecia obra de fantasmas do passado, apenas sintomas de trauma.

– Por que o Bahia caiu tanto no desempenho nas últimas partidas?

Não sei.

– É exclusivamente por causa da ausência de Pará? Continuar lendo

Prioridade da Sorte

Bahia não apareceu em Feira. (Foto: Tribuna da Bahia)

Bahia não apareceu em Feira. (Foto: Tribuna da Bahia)

BAHIA 0x2 SANTOS
8ª rodada Brasileirão 2014

Torcer para o Bahia é viver em uma eterna montanha-russa. As surpresas, agradáveis ou não, vão e vêm como um lépido menino da quitanda, que corre pra trocar uma nota de R$ 50 antes que o freguês desista de levar aquela saca de laranja. Nessa quinta, em Feira de Santana, o sabor dessa surpresa foi bem amargo. O tricolor, franco favorito, sucumbiu à eficiência dos paulistas da Baixada com uma apresentação abaixo da crítica. Diante de um Santos absolutamente desfalcado e até os primeiros 45 minutos de jogo, moroso e inofensivo, o time baiano se mostrou impotente para criar chances e conseguir incomodar o goleiro adversário. Continuar lendo

Talisca é melhor que Murphy

Captura de Tela 2014-05-22 às 11.46.04

FLAMENGO 1×1 BAHIA
6ª rodada Brasileirão 2014

Até os 45 minutos da etapa derradeira o jogo em Macaé parecia ter dois vencedores: o Flamengo, que abriu o placar aos 10 minutos de jogo e, apesar de não conseguir mais jogar bola, segurava um importante resultado, e Murphy, aquele da lei que diz que tudo que pode dar errado, dará.

Afinal, no jogo em que o Bahia criou mais chances de marcar no Campeonato, se encaminhava para sair “zerado”. Me arrisco a dizer que o Bahia foi mais superior ao Flamengo ontem do que ao Figueirense, na segunda rodada. Lógico que o rubro-negro carioca é muito melhor tecnicamente que o alvinegro de Floripa, mas o Bahia, em Macaé, conseguiu não só ser dono das ações, como também criou mais, pegou uma zaga atrapalhada e um meio de campo preguiçoso do outro lado. O Flamengo é mais time que o Figueirense, mas pareceu absolutamente desarticulado e inseguro. E o tricolor estava mais incisivo. Continuar lendo

Vai ter Copa

Captura de Tela 2014-05-15 às 18.22.15

BAHIA 2×1 AMÉRICA-MG
2ª Fase Copa do Brasil

Entre a infância e a adolescência eu tive muitos sonhos com aventuras.
No estilo “Indiana Jones” ou “Jaspion” mesmo. Eram sonhos tão intensos que eu acordava suado e cansado em determinadas ocasiões. Neles, muitas vezes eu corria fugindo de pedras gigantes girando em minha direção, passava por pontes frágeis, de palha, com um precipício abaixo e bocas de jacarés famintos de prontidão. Pulava desesperado para alcançar uma fresta em portões espessos, prestes a fechar para sempre, escapava do pisão de um monstro jurássico, girando o corpo pro lado. Teve até uma vez que me vi caindo no vão das escadas de incêndio de um grande prédio, com centenas de andares. Em todos as situações eu escapei ileso: era só acordar, nem que fosse no susto.

Imagino que com o Bahia vem acontecendo algo parecido. O time vem passando por aventuras, enfrentando dificuldades e sobrevivendo a muito custo. A fundamental diferença é que o clube não podem “acordar” e descansar. Continuar lendo

Eu estou aqui

BAHIA 1×1 VITÓRIA-BA
3ª rodada Campeonato Brasileiro 2014

Há algumas semanas, Diego Macedo, que vinha bem se machucou. Roniery entrou no Bahia do Brasileirão, Railan respondeu bem na Copa do Brasil e a contusão do então titular da lateral direita acabou sendo pouco sentida (no time, eu digo.). Aí vem a quarta-feira, desafio contra o organizado, mas violento América-MG e Lincoln se torna desfalque por 60 dias. Um baque, ainda mais considerando que o veterano vinha em franca evolução no Bahia e era o melhor do time no estádio Independência até sua contusão.

Aí, no triste sábado que antecedeu o primeiro BAVI pelo Campeonato Brasileiro, a torcida do Bahia recebe, oficialmente, a notícia da contusão de Rhayner. Uma fissura em uma de suas vértebras vai deixar o jogador, motor do time, essencial para o esquema de compactação do tricolor, fora por 60 dias. Para completar o cenário, no mesmo sábado, o carismático e competente presidente Fernando Schmidt é internado às pressas no hospital Jorge Valente com uma suspeita de AVC (não confirmada, ufa!).

Com todas essas novidades que fariam qualquer mensageiro do apocalipse morrer de inveja da assessoria de imprensa tricolor, o decréscimo técnico que o Bahia sofreria com as ausências dos contundidos e com um clássico pela frente, senti uma atmosfera meio pesada no domingo chuvoso. Era como se os acontecimentos dos dias anteriores estivessem anunciando uma peleja ruim, pra fechar com chave enferrujada a semana, diante do adversário que sempre serviu como um agente decisivo na relação entre time e torcida. Continuar lendo

Passos pra recuperar a grandeza

Maxi fez o gol do triunfo. (foto: www.jogosdobahia.com.br)

Maxi fez o gol do triunfo. (foto: www.jogosdobahia.com.br)

BAHIA 1×0 BOTAFOGO-RJ
3ª rodada – Campeonato Brasileiro 2014

O Bahia venceu pela 4ª vez consecutiva o Botafogo-RJ. E com autoridade. Se não refletida no placar magro, econômico, com certeza justificada na postura, no comando da partida. O tricolor encarou na tarde de domingo ensolarado um desafio diferente das duas primeiras rodadas do campeonato. Enfrentou uma equipe que veio para se defender, com uma proposta clara de jogar para não perder, na esperança de conseguir o resultado na já famosa “uma bola”. Continuar lendo

“Tá” libertado, em nome do Bahia.

(

BAHIA 2×0 VILLA NOVA-MG
Copa do Brasil 1ª fase

Antes do jogo entre Bahia e Villa Nova começar eu pensei em 3 nomes: Pittoni, Feijão e Maxi Biancucchi. Por mais que o Bahia não houvesse feito nada em 2014 que me fundamentasse a ideia de que iria golear o limitado Villa Nova, eu imaginei que esse seria um jogo para os três se firmarem. Pittoni como indiscutível candidato à titularidade, Feijão como um reforço importante para o meio de campo, e Maxi como um indivíduo livre da ansiedade, da inhaca, da perna presa, e o que mais for, de acordo com a crença de cada um. Seria um jogo para ele marcar gol e tirar o peso do obelisco da 9 de Julio de suas costas. Afinal, esse peso já incomodava o rendimento do time. Continuar lendo

Começo de conversa

Se fosse um cruzeirense eu diria que estava empurrand o jogo com a barriga. Mas por ser Pará, afirmo: fome de bola na foto de Will Vieira.

Se fosse um cruzeirense eu diria que estava empurrando o jogo com a barriga. Mas por ser Pará, afirmo: fome de bola na foto de Will Vieira.

BAHIA 1×2 CRUZEIRO
1ª rodada – Campeonato Brasileiro 2014

O Campeonato Brasileiro começou mostrando ao Bahia que o título baiano deve ficar para trás e que a conquista, tecnicamente falando, não credencia o tricolor a fazer uma campanha que honre clube e torcida no certame nacional. A derrota de hoje, cruel pelo desempenho geral da equipe, mas justa pelas falhas cruciais, demonstra isso.

Não é novidade, mas não custa repetir: o Campeonato Brasileiro é anos-luz mais qualificado que o Campeonato Baiano. E o sabor dessa realidade foi amargo para a maioria dos 11 mil presentes na Fonte Nova. O Bahia equilibrou o jogo diante do time misto do Cruzeiro, mas os mineiros, sem tanto esforço, foram precisos no aproveitamento das falhas da zaga azul, vermelha e branca e saíram vencedores.
Continuar lendo

O título da gente.

Torcida em festa no Pituaço. (foto de Will Vieira)

Torcida em festa no Pituaço. (foto de Will Vieira)

VITÓRIA-BA 2×2 BAHIA
Final Campeonato Baiano – 2º jogo

Hoje sim. Os torcedores do Bahia, todos aqueles que pegaram o clube pelo braço e estão ajudando a reerguer, podem gritar plenamente: “eu sou campeão”. “EU”! É, pode gritar assim mesmo: “eu!!”.

Porque ninguém que veste azul, vermelho e branco por aí é menos campeão que aqueles jogadores que se agigantaram contra o Vitória, favorito antes das finais, engolido depois delas. Todas as vozes reverberantes da Fonte Nova, as espremidas no canto, no sol quente das arquibancadas de Pituaçu, vozes que preencheram as ruas em diversos bairros, cidades e países pelo mundo, são tão campeãs quanto.
Vozes que conquistaram a democracia, que fizeram o Bahia dar o passo mais importante de sua história. Vozes que já estão fazendo o clube ser vencedor fora de campo e queriam ver isso ser refletido dentro das quatro linhas.
Continuar lendo

Dividir é multiplicar

Todos jogadores relacionados entraram em campo. (foto: Will Vieira)

Todos jogadores relacionados entraram em campo. (foto: Will Vieira)

BAHIA 2×0 VITÓRIA
Final Campeonato Baiano 2014 – 1ª jogo

O Bahia cresceu na primeira partida da decisão do Baianão, diante do Vitória, e reverteu a vantagem que era do rival. Mostrou uma postura completamente diferente do marasmo apresentado contra o Serrano, dando um passo importante para conquistar seu 45º título estadual. Venceu na vontade, na técnica, na tática, nas arquibancadas. Trouxe o torcedor para o seu lado e conseguiu transformar a Fonte Nova em um ambiente “hostil” para as pretensões dos visitantes rubro-negros. Fez os 35 mil presentes na Arena presenciarem uma comunhão entre torcida e clube que há algum tempo só aparecia em nossas memórias. Continuar lendo

Domingo, todos os caminhos…

IMG_8981

BAHIA 1×0 SERRANO
2º jogo Semifinal Campeonato Baiano 2014

O Bahia fez o que dele se esperava: passou pelo Serrano, chegou à final e pode conquistar o seu 45º Campeonato Baiano.
Porém, apesar de classificado, o tricolor não consegue engrenar, convencer. Alimentou, nas duas partidas semifinais, a esperança que o time (agora) de Teixeira de Freitas tinha de chegar à sua primeira decisão na história. Tomou sufoco, precisou de uma intervenção difícil mas acertada da arbitragem para preservar sua vantagem na partida de ida e de Lomba para manter as coisas no eixo na partida de volta.

Em ambas as pelejas, em gramado ruim ou em tapete, o time de Marquinhos Santos jogou o mesmo futebol descoordenado que vem marcando suas exibições em 2014. No sábado, misturou tranquilidade além da medida com a já tradicional confusão tática. É quase um carrossel, só que oval. Jogadores do meio para frente variam seus posicionamentos de acordo com….sei lá o quê. Jeam começa como centroavante. Depois, cai para a direita. Depois vem pra trás de Lincoln, fechar o meio. Pittoni fez a esquerda no primeiro tempo, depois a direita no segundo tempo. No final da partida, voltou pra o miolo do meio de campo. Lincoln foi centroavante, ponta direita, meia. Continuar lendo