Já dizia o Pequeno Príncipe…

IMG_5909

Nesta última semana o Bahia foi escroto com seu torcedor. De um domingo para o outro, transformou uma grande expectativa pela conquista de dois títulos em, se muito, esperanças de superação. Se após a dolorosa derrota frente ao Ceará, em uma falha clamorosa do jovem Jean, ficou a sensação de que a recuperação é possível no Castelão, o desempenho frente ao Vitória da Conquista, no Lomanto Júnior, jogou uma carreta de dúvidas sobre a possibilidade disso acontecer. Pior, aumentou muito as chances do tricolor sair desses dois campeonatos de mãos abanando. O que, no caso do baiano, me perdoem, é um absurdo.

O jogo do Ceará foi equilibrado e difícil, pois o time cearense tem um bom meio de campo. Uiliam Correa e Ricardinho, como dizem alguns amigos, “esmerilharam”, e prejudicaram muito a marcação pressão do tricolor, pois os pique dos atletas do Bahia não eram sinônimo de bola roubada, como em muitas oportunidades ao longo da temporada. A derrota veio por uma falha individual, que minou o aspecto psicológico da equipe, deixando a conquista do título em situação de risco. O apito final na Fonte Nova, quarta-feira, acabou me trazendo alívio. Continuar lendo

Seja sócio!

Torcida tricolor em clique de Will Vieira.

Torcida tricolor em clique de Will Vieira.

Vivemos a expectativa de jogar uma grande final. Um momento muito favorável a uma reflexão sobre a necessidade do torcedor se associar ao Bahia, para torná-lo um clube cada mais forte. Reflexão proposta por Marcelo Mendes, advogado, torcedor do Bahia, sócio e Conselheiro reeleito. Agora é com ele! BBMP!

——–

Um convite à reflexão

Não pretendo falar do lendário placar de 3×2 em 2015. Tampouco que estamos em duas finais no primeiro semestre e seguimos vivos na Copa do Brasil. Nem da mística tricolor que foi reacesa na temporada com o time de Sergio Soares. Da recuperação do futebol de Titi e Maxi e da boa fase de Kieza. Do vigor físico da equipe não vista há muitos e muitos anos. De termos cerca de 50% do elenco oriundo da base com uma transição para o profissional bem efetuada tecnicamente. Continuar lendo

Testando limites

Bahia busca virada. Alívio veio no empate de Souza. (Foto: Will Vieira)

Bahia busca virada. Alívio veio no empate de Souza. (Foto: Will Vieira)

BAHIA 3×2 JUAZEIRENSE
2º jogo – Semifinal – Campeonato Baiano 2015

Pela terceira vez, em uma semana, o Bahia ativou o “modo emoção” em seus jogos. Depois do já imaginado embate equilibrado contra o Sport e do surpreendente sufoco contra o Nacional de Manaus, o tricolor, que tinha uma vantagem confortável para a disputa da partida de volta de semifinal do Baiano, conseguiu “dramatizar” também a partida contra a Juazeirense.

Podendo perder por 1 gol de diferença para avançar, mas precisando vencer para garantir vantagem na decisão (sem depender de qualquer resultado em Ilhéus, onde jogavam Colo-Colo e Vitória da Conquista), o Bahia começou o jogo “daquele jeito”: atacando. O técnico Quintino Barbosa, da equipe visitante, armou uma arapuca, colocou o time compactado atrás e deixou três experientes jogadores mais “soltos” no setor ofensivo: Juninho (que eu vi jogar pelo Bahia, na Fonte Nova, em 1996 – isso, eu escrevi 1996-), Sassá, velho conhecido do interior e o “coveiro” Junior Pipoca. Nenhum deles me traz boas lembranças. Juninho, por ser uma promessa da base dos anos que começaram a apequenar o Bahia, Sassá, que por times do interior fez gols nesse mesmo Bahia diminuído (época do Ipitanga, então…) e Junior, não preciso nem lembrar porquê. Sendo que a participação dele no Bahia, em 2011/2012, não serviu para apagar sua “cavadinha” em 2010. Continuar lendo

O Bahia que apaixona

Souza comemora gol de pênalti que deu a virada ao Bahia. (Foto: Will Vieira)

Souza comemora gol de pênalti que deu a virada ao Bahia. (Foto: Will Vieira)

BAHIA 3×2 SPORT
2º jogo – Semifinal – Nordestão 2015

Faltou o sol que garantiria a praia pré-jogo. E só. No mais, o dia 12 de abril de 2015 hospedou em suas horas um resgate há muito tempo aguardado pela torcida tricolor: viver um clube apaixonante, em uma casa cativante, ter uma tarde emocionante. Bahia x Sport foi um jogo que começou desde o início da semana, antes mesmo do primeiro confronto (que terminou empatado em 0x0). A mobilização da semana, do clube, dos torcedores, criou uma atmosfera contagiante e tirou o sono de muita gente desde o sábado.

O domingo demorou pra chegar, mas começou cedo para muitos torcedores que mal pregaram os olhos de tanta ansiedade. O clima gostoso de bandeiras, camisas, gritos de “Bora Baêaaaaa” deixava muito claro para qualquer extraterrestre que estivesse em Salvador: “algo grande vai acontecer hoje.” Continuar lendo

Um parabéns por vez.

Clique cirurgico de Will Vieira (@siga_will) mostra braço de Kieza deslocando goleiro do Campinense.

Clique cirúrgico de Will Vieira (@siga_will) mostra braço de Kieza deslocando goleiro do Campinense.

Bahia 1×0 Campinense
Nordestão 2015 – Quartas-de-Final – 2ºjogo

Às vésperas do aniversário de Salvador e do aniversário da conquista do primeiro título brasileiro que um time brasileiro poderia conquistar, o Bahia fez por merecer outro parabéns: garantiu participação nas semifinais do Campeonato do Nordeste, conforme projeção da nova diretoria. Para mim, como torcedor, ainda é pouco, mas pra quem se angustiou nos dois últimos anos sequer passando da primeira fase, o avanço é inegável. E o time chega competitivo para enfrentar Sport ou Fortaleza.

O novo passo dado foi justo, pois o Bahia foi superior ao Campinense nos dois jogos. Porém, as facilidades oferecidas por Galícia e Feirense ficaram no passado e, na minha opinião, o time ainda precisa ser mais incisivo e “letal” contra equipes meramente qualificadas para passar ao torcedor confiança suficiente para crer em um ano positivo dentro de campo. Continuar lendo

Resumo Tricolor


O Bahia começou o ano tropeçando, como tem se tornado uma regra nos últimos tempos. Pelo Baianão, tomou dois do Conquista, merecidamente, e perdeu da Jacuipense, imerecidamente. Já pelo Nordestão, foi atrás de um empate no final, contra o CRB, e de uma virada também no fim, contra o Globo, apesar de ter jogado pior. Ao menos teve 100% de aproveitamento com seu mando de campo em fevereiro, fechando o mês ganhando da Catuense (e perdendo trocentos gols).

Domingo, 1/2: Conquista 2 x 0 Bahia 
Quarta, 4/2: Bahia 1 x 0 Campinense
Sábado, 7/2: Bahia 3 x 1 Jacobina
Quarta, 11/2: CRB 3 x 3 Bahia 
Quarta, 18/2: Globo 1 x 2 Bahia 
Domingo, 22/2: Jacuipense 2 x 1 Bahia 
Quarta 25/2: Bahia 2 x 0 Catuense

Continuar lendo

Bahialemanha – Bahia 7 x 1 Feirense


Queria ter escrito um post sobre esta goleada, pois domingo, Dia Internacional da Mulher, foi massa! Porém, por falta de tempo (e excesso de líquidos), não consegui escrever no dia. Pra não passar em branco (e pra renovar o blog), estou postando essa imagem que já diz muito.

Os alemães enfiaram 7 a 1 na fraquíssima seleção da cbf, após vestirem o manto sagrado. E o Bahia, na sua melhor apresentação em 2015, aplicou o mesmo placar no fraquíssimo time do Feirense. Com 3 gols de Léo Gamalho, todos com assistência de Kieza, que também deixou 2 gols. Maxi e William Santana fizeram um cada, na maior goleada da história da nova Fonte. Por sinal, o Bahia manteve os 100% em casa neste ano. O ataque KGB (Kieza, Gamalho e Biancucchi) tem dado certo.

Continuar lendo

Bavi da Paz (ou Pura Hipocrisia)

Perdi a conta de quantas campanhas já vi sobre um suposto “Bavi da Paz”. Algumas vezes a iniciativa parte de torcedores nas redes sociais, outras da imprensa e dessa última vez veio dos dirigentes.

Perdi a conta de quantas vezes fui ao barradisney e respirei gás lacrimogêneo, ouvi bombas ou presenciei confusões diversas, na entrada, na saída ou nos 2 momentos. Algumas vezes a iniciativa parte das torcidas organizadas do Bahia, outras vezes das organizadas do vice e as vezes parte da PM.

Este ano só tem um BAvice garantido no Baianão e o mando de campo é dos “sem títulos”. Chegou-se a cogitar dividir o estádio em 60/40. Esta seria a melhor promoção para um suposto “BAvi da Paz”. Porém, os dirigentes do aterro preferiram manter o já famoso curral. Um espaço medido a culhão, que, supostamente, corresponde a 10% da capacidade do estádio e caberiam 3500 tricolores. Porém, nem a imprensa, nem a PM, nem o ministério público, nem o Papa, nem a diretoria do Bahia, nem ninguém contesta.

IMG_1038.PNG

Continuar lendo

Parecia Videogame

Bahia venceu, mas falhou demais no ataque. (foto: Will Vieira)

Bahia venceu, mas falhou demais no ataque. (foto: Will Vieira)

BAHIA 2×0 CATUENSE
4ª rodada – 1ª fase – Campeonato Baiano 2015

Bahia x Catuense, Fonte Nova. Primeiro tempo de jogo, lateral direito tricolor Tony engatou uma triangulação envolvente com Maxi Biancucchi e Tiago Real, trocando passes rápidos, precisos e com movimentação dinâmica. Tony chegou confortável ao lado da área. Fez o cruzamento um pouco alto, mas suficiente para Léo Gamalho empurrar para as redes. Cabeçada foi mal direcionada e subiu demais. Gol perdido.

Essa jogada, ainda no início da partida, poderia ser um recorte fiel do jogo. Só não foi tão fiel porque, depois disso, o Bahia não precisou de nenhum lance envolvente pra sair na cara do goleiro adversário.

A Catuense o foi o oponente de defesa mais frágil que lembro de ter visto nos últimos anos contra o Bahia. A desorganização foi tanta que me lembrou aqueles times de jogo-treino, formado por alunos de educação física de uma ou outra Universidade. Continuar lendo

Numerologia Tricolor (ou 29 anos…)


Ontem, o Bahia comemorou os 26 anos da sua 2ª estrela. O Twitter oficial do clube até narrou o jogo em “tempo real”. Mas vocês já repararam que existe uma numerologia envolvendo o tricolor? Repare a porra (lembrando que as finais de 1959 e 1988 foram no ano seguinte…):

(null)

E aí, você acredita nisso? Será Copa do Brasil ou Brasileirão? E o que você acha que o Esquadrão precisa fazer pra conquistar a 3ª estrela em 2018?

BBMP! #rumoaotri


P.s: já conhecia essa “mística”, mas a relembrei após um papo com Carol e Rafael. Aí pedi pra @siga_will fazer a gracinha acima.

“Estreia é assim mesmo.” (Ou Deu chabives)


Segunda fui almoçar no shopping e um estranho, empurrando um carrinho de bebê, me perguntou educadamente:

– Boa tarde, você que está no filme do Bahia, né?
– Sim, sou eu mesmo.
– Parabéns! Achei muito bom mesmo. Emocionante!
– Valeu!

Eu achei o sotaque dele bem diferente, então perguntei:

– Você é torcedor do Bahia?

No que ele me respondeu:

– Sou Tchô, jogador do Bahia. O elenco todo foi ver o filme esses dias…
– Ah, legal! Boa sorte este ano. E aí, quais suas expectativas?
– Cara, fomos mal ontem, mas “estreia é assim mesmo”.

Continuar lendo